05 LIVROS SOBRE PALHAÇOS QUE VALEM MUITO

Facebooktwittergoogle_plusmail

03_a

Ler é sempre uma atividade enriquecedora. Que tal enriquecer-se sobre os
conceitos e opiniões acerca da figura cômica por excelência, o palhaço?

#01 – O ELOGIO DA BOBAGEM
03_b
Título: O Elogio da Bobagem – Palhaços no Brasil e no Mundo
Autora: Alice Viveiros de Castro
Editora: Alice de Castro
Esta pesquisa de Alice Viveiros de Castro é um ótimo modo de compreender toda uma trajetória histórica e conceitual sobre o arquétipo do palhaço. Nele dá para notar os diálogos que essa figura cênica traça com outras de outros manifestos artísticos e rituais diversos. Também nos permite observar que os elementos que constituem a história do palhaço correm de modo próprio, não sendo nem exatamente o mesmo processo da história do circo, nem o mesmo processo da história do teatro, tampouco do cinema e televisão, mas, curiosamente, o palhaço é uma figura que transitou em todos esses terrenos de arte e comunicação.

#02 – A NOBRE ARTE DO PALHAÇO
03_c

Título: A Nobre Arte do Palhaço
Autor: Marcio Libar
Editora: Ed. Do autor

O livro tem vários méritos, e foi tão pocurado que está esgotado, mas ainda é possível encontrá-lo em alguns sebos por aí. Narra, de modo autobiográfico, a jonada que transformou Marcio Líbar no palhaço que é hoje. Quase uma epopéia palhacística. É bacana que da para se identificar com as passagens apresentadas, e o sabor de ler uma aventura de personagens reais é gostoso por demais. Marcio revela suas impressões sobre Léo Bassi, Nani Colombaioni e outros palhaços do mundo e, claro, do Brasil. Ler o livro faz ficar ainda mais legal assistir uma apresentação de Libar, pois dá pra vincular e, ao olhá-lo em cena, ver toda a trajetória descrita no livro.

#03 – PALHAÇOS
03_d

Título: Palhaços
Autor: Mario Bolognesi
Editora: Ed. UNESP
Esta obra é resultado da pesquisa acadêmica que Mario Bolognesi desenvolveu sobre palhaços no Brasil. Investiga e apresenta reflexões sobre a dramaturgia e encenação da figura cômica nacional. E, além disso, tem um apêndice muito legal (e importante): textos das reprises tradicionais de palhaços brasileiros (tal como se fossem textos de teatro); então dá pra conhecer reprises como as de “Adão e Eva”, “Abelhinha, abelhinha”, ” O caçador” e outras, permitindo praticá-las com sua dupla ou grupo. Quem sabe servindo de referência para que crie seu próprio número.

#04 – PALHAÇO BOMBA
03_e

Título: Palhaço Bomba
Autor: Mario Bolognesi
Editora: Ed. UNESP
Reúne uma série de artigos e crônicas escritas por Hugo Possolo (dos Parlapatões, Patifes e Paspalhões). O curioso é que, apesar de ter vários textos que falam especificamente sobre a palhaçaria, noutros textos o tema não é o palhaço, contudo é escrito sob a ótica de um palhaço. Os textos são provocativos, daquele jeito que nos põe a pensar, entendem? Vale muito ler e refletir sobre coisas que no dia a dia não pensamos muito, por exemplo, a alcunha “clown”, que se espalhou pelo mundo através da escola de Jacques Lecoq, e muita gente utiliza apenas como um sinônimo para “palhaço”, não percebendo assim que infere em um colonialismo. Enfim, várias opiniões são polêmicas (aliás, como os próprios espetáculos em que Possolo participa), mas polemizar é importante para nos tirar do terreno estável do comodismo.

#05 – O LIVRO DO PALHAÇO – Cláudio Thebas
03_f
Título: 
O Livro do Palhaço
Autor: 
Cláudio Thebas
Editora:
Ed. Companhia das Letras
Neste lançamento da Coleção Profissões, o escritor Cláudio Thebas intercala sua trajetória como palhaço – vocação que descobriu pouco antes dos 30 anos – com a história da profissão. Desde as origens na China e no Egito até as aparições no cinema, Thebas apresenta as anedotas, os personagens mais famosos e as curiosidades do mundo dos palhaços. Por meio de entrevistas – com o Picolino, o Carequinha e o filho do Arrelia – e depoimentos de colegas de profissão, o autor narra a trajetória dos palhaços no Brasil, e ainda descreve o treinamento necessário para quem deseja um dia calçar sapatos enormes e fazer o público morrer de rir.

Caso queira sempre ficar por dentro de nossas dicas de leituras e novidades do site, cadastre-se gratuitamente em nossa newsletter:

Augusto e Elaine fundaram a Cia Arte Negus e acreditam no riso como instrumento de transformação social.

Posts Relacionados

  • Rafael de Barros

    Muito bacana essa seleção!!! Preciso arrumar o do Thebas pra completar a coleção lá de casa!!!
    Valeu por compartilhar as dicas. =)