INDICAÇÃO DE LEITURA: A GRANDE FÁBRICA DE PALAVRAS | parte 09

Facebooktwittergoogle_plusmail

44Normalmente colocamos aqui indicações de livros com autores nacionais e com temas relacionados à cultura popular, mas isso não quer dizer que não reconhecemos o valor dos autores de outros países e a relevância das culturas de outros países. Para que isso fique claro, iremos também indicar livros que apreciamos que têm suas origens em outros locais geográficos de nosso mundo.

Pra começar vai o A GRANDE FÁBRICA DE PALAVRAS, da autora Agnès de Lestrade e com ilustrações de Valeria Docampo. Aqui no Brasil a edição que temos é da Editora ALETRIA, que tem um belo trabalho editorial, tanto pela seleção das obras que publica bem como pelo acabamento gráfico oferecido nos exemplares. Então vamos lá, segue abaixo as informações sobre o livro.

44b

LIVRO: “A grande fábrica de palavras”

EDITORA: Ed. Aletria – Belo Horizonte – 2010

AUTOR: Agnès de Lestrade | Ilustrações de Valeria Docampo | Tradução de Carlos Aurélio e Isabelle Gamin

PORQUE LER?
Sabe aquele tipo de leitura que te fisga de tal modo que você começa a ler na livraria mesmo? Foi o que ocorreu com esta obra, conhecemos no estande da Aletria em 2013, na ocasião a editora estava mostrando suas obras no Simpósio de Contadores de Histórias em Niterói, lemos no estande mesmo, e gostamos tanto que queríamos adquirir mais de um exemplar. A história narrada é simples, com uma delicadeza difícil de se conseguir se o autor não escreve com o coração. Bom, não conhecemos a autora, mas, de todo modo é essa a impressão que nos dá, que a história foi escrita com o coração.

A premissa é a seguinte, como seria se não pudéssemos simplesmente falar, mas tivéssemos que comprar as palavras que dizemos? Os ricos e poderosos conseguiriam dizer mais coisas do que os trabalhadores do dia a dia e os pobres, afinal, teriam mais dinheiro para comprar as palavras. De imediato é possível decifrar certas camadas de interpretação desse texto, até mesmo significados políticos e as possibilidades de interpretação não findam por aí, pois o leitor pode vincular cada situação a uma situação diferente do dia a dia.

Bom, o trabalho visual realizado no livro também é um ponto forte, pois as ilustrações se mesclam com o texto de tal maneira que nem percebemos o rigoroso trabalho de diagramação que uma obra dessa teve. Tudo aparece de modo fluído diante de nossos olhos, não é apenas texto e imagem, mas texto/imagem como uma única coisa.

Sei que quando gostamos de algo escrevemos sobre ela com a mesma paixão que nos bate quando sentimos o prazer de ter desfrutado dela, mas caso reste algum dúvida, compre o exemplar, procure em uma biblioteca, caso seja professor, entre em contato com a editora e veja as outras obras do acervo, tire sua própria opinião e nos avise aqui sobre o que achou.

Abraço grande garobaba! Até a próxima dica.

Assine nossa newsletter e receba gratuitamente nossas atualizações:

 

 

Augusto e Elaine fundaram a Cia Arte Negus e acreditam no riso como instrumento de transformação social.

Posts Relacionados

  • Tatiane Paz

    Esse livro é de uma delicadeza impressionante. Simplesmente apaixonante. Entrei no stand da Aletria na Bienal do Livro de BH por ficar interessada em um outro livro, mas o vendedor me cativou com essa história.

    • Arte Negus

      Sim, sim… esse livro é uma lindeza. Algo parecido ocorreu conosco, estávamos em Niterói, num evento de contadores de histórias e entramos no stand da Aletria para ver outra coisa. Mas não conseguimos sair de lá sem esse livro.

      Abração